Skip to content

Crise ambiental Golfo do México

by em Junho 26, 2013

Crise ambiental perdura no Golfo do México

Publicado a 20 ABR 11 às 08:43

Um ano depois da catástrofe ambiental no Golfo do México os restos de crude são quase invisíveis para os olhos menos treinados, mas muitos ambientalistas, cientistas e habitantes das zonas afectados garantem que a crise está para durar.

A explosão da plataforma “Deepwater Horizon” ao largo da costa da Louisiana, a 20 de Abril de 2010, provocou onze mortes, libertou cerca de 4,9 milhões de barris de crude para o Golfo do México, destruiu um número indeterminado de habitats marinhos e arruinou a existência de milhares de pessoas.

Um número incalculável de peixes e crustáceos, milhares de aves e centenas de tartarugas marinhas e golfinhos morreram devido ao derrame, que também afectou mais de cem quilómetros de manguezal, ecossistema costeiro húmido, destaca o Washington Post.

Apesar de vários cientistas reconhecerem que as mais terríveis previsões não chegaram a concretizar-se, doze meses depois do acidente, em que foram publicados dezenas de relatórios e recolhidas milhares de amostras, a verdadeira extensão dos danos ambientais continua a ser uma incógnita, e deverá continuar a sê-lo nos próximos anos.

«Não é tão mau como poderia ter sido, mas ainda estamos a apurar o impacto total que o derrame teve na saúde do Golfo», afirmou Jane Luchenco, responsável da Administração Nacional Atmosférica e Oceânica, segundo a qual a maior parte do crude foi recuperada do mar ou se dispersou.

Factores naturais, como a acção de micro-organismos, terão facilitado a degradação do crude, que ocorreu de forma muito mais rápida do que era esperado, destacam vários especialistas.

Contudo, a maioria das previsões científicas refere que a batalha para salvar o ecossistema marinho e costeiro da zona afectada deverá continuar durante décadas.

«Há ainda uma enorme quantidade de petróleo que ninguém sabe bem onde está» garante Ian R. McDonald, oceanógrafo da Universidade Estadual da Florida.

Sem querer minimizar as consequências do derrame, Carl Safina, do Blue Ocean Institute, organização especializada em saúde marinha, também considera que «podia ter sido pior».

Um ano depois do acidente, a maioria das praias afectadas foram abertas ao turismo e os rastos do crude são praticamente invisíveis.

O Golfo foi quase completamente reaberto à pesca, apenas uma zona de cerca de 2500 quilómetros quadrados continua interditada à pesca comercial ou de lazer.

Os efeitos económicos, porém, continuam a sentir-se na região. A queda do turismo e as dificuldades de pescadores, criadores de ostras e outras pessoas que dependem do oceano persistem, e agravam a crise económica que ainda se sente na zona, onde mais 130 mil empresários e pescadores ainda não receberam as suas compensações pela perda de actividade.

A petrolífera britânica BP, que gastou cerca de 40 mil milhões de dólares (28 mil milhões de euros) na mitigação dos efeitos ambientais do derrame e na indemnização das populações afectadas, considera o assunto resolvido e prepara-se para explorar novos poços no Golfo.

http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=1834353&page=-1
Consultado em 18-4-2013.

Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: