Skip to content

Epistemologia da Lógica Graham Priest

by em Setembro 25, 2012

Portanto, o que é uma inferência válida? Como vimos, é uma inferência em que as premissas não podem ser verdadeiras sem que a conclusão também seja verdadeira. Mas o que significa isto? Em particular, o que significa o não pode? Em geral, «não pode» pode significar muitas coisas diferentes.

Considere-se, por exemplo «A Maria pode comer doces mas o João não»; neste caso estamos a falar de limitações médicas dos organismos humanos. Compare-se com «O João não pode estar aqui sem uma licença»; neste caso estamos a falar acerca do que um certo código de regras permite.

É normal compreender o «não pode» relevante para o presente caso deste modo: dizer que as premissas não podem ser verdadeiras sem que a conclusão também o seja é dizer que em todas as situações em que as premissas forem verdadeiras, a conclusão também o é. Até aqui tudo bem, mas o que é, exactamente, uma situação? Que tipo de coisas constituem uma situação, e como se relacionam essas coisas entre si? […]

Pressupondo que a definição [de validade acima] está correcta, saber se uma inferência é dedutivamente válida é saber que não há situações nas quais as premissas sejam verdadeiras e a conclusão falsa. Ora, segundo qualquer forma razoável de compreender o que é uma situação, há um elevado número delas: situações acerca de coisas nos planetas das estrelas distantes; situações acerca de acontecimentos antes de existirem quaisquer seres com vida no cosmos; situações descritas em obras de ficção; situações imaginadas por visionários. Como podemos saber o que se verifica em todas as situações? Pior ainda, parece haver um número infinito de situações (situações que se irão verificar daqui a um ano, daqui a dois, daqui a três…). É portanto impossível, mesmo hipoteticamente, inspeccionar todas as situações. Assim, se esta definição de validade estiver correcta, e dado que podemos reconhecer as inferências como válidas ou inválidas (pelo menos em muitos casos), é porque devemos ter alguma intuição acerca disso, intuição essa que deverá surgir de alguma fonte especial. Qual?

 Graham Priest, Lógica, 2000, trad. de Célia Teixeira.

Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: