Skip to content

Explicação e Redução ao Familiar Wesley Salmon

by em Junho 15, 2012

Explicação e Redução ao Familiar

Wesley Salmon

Afirmou-se por vezes que a explicação consiste em reduzir o misterioso ou não familiar ao familiar. Antes de Newton, por exemplo, os cometas eram considerados objectos misteriosos e assustadores. Mesmo para as pessoas instruídas, a aparição de um cometa significava catástrofes iminentes, como terramotos, inundações, fome ou epidemias. Newton mostrou que os cometas podiam ser entendidos como objectos semelhantes a planetas, mas que se movem em torno do Sol em órbitas extremamente excêntricas. Por essa razão, qualquer cometa passa a maior parte do tempo longe do Sol e muito além do alcance da observação humana. O aparecimento dos cometas era uma surpresa, mas quando ficámos a saber que se comportam em grande medida como os planetas familiares, o seu comportamento ficou explicado e deixaram de ser objectos temíveis.

Embora a noção de redução do não familiar ao familiar possa ser atraente, não constitui uma caracterização satisfatória da explicação científica. Podemos compreender isto a partir do célebre enigma conhecido por paradoxo de Olber, […] formulado por Edmund Halley em 1720: por que razão o céu é escuro à noite? Nada pode ser mais familiar do que a escuridão do céu nocturno, mas Halley e depois outros astrónomos compreenderam que, se a concepção newtoniana do universo fosse correcta, todo o céu brilharia tanto à noite como ao meio-dia. O problema de explicar a escuridão do céu à noite é extremamente difícil, e pode não haver uma resposta aceite consensualmente pelos especialistas. Nas explicações sérias propostas, no entanto, recorre-se a factos esotéricos, como o carácter não-euclidiano do espaço […]. Neste caso, como em muitos outros, explica-se um fenómeno familiar através de factos que nada têm de familiar.

Suspeito que há uma conexão profunda entre a concepção antropomórfica da explicação e a tese de que a explicação consiste na redução do não familiar ao familiar.O tipo de explicação com que estamos mais familiarizados é aquele em que se explica a acção humana em termos de finalidades conscientes. Se for possível explicar os fenómenos da física ou da biologia em termos de uma tentativa de realizar uma finalidade, esse será um caso notável de redução ao familiar.

Obviamente, esta abordagem tem o seguinte problema: muito do progresso da ciência resultou na eliminação, e não na introdução, de finalidades.

WESLEY SALMON, Explicação Científica, 1992, trad. de Pedro Galvão, p. 14

From → Ciência

Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: